Como escolher o tom ideal para cada cliente na micropigmentação?

colorimetria
Share on facebook
Share on email
Share on whatsapp

Para os micropigmentadores que desejam entregar excelentes trabalhos aos seus clientes, o conhecimento de cor e sua aplicação em cada tipo de pele é essencial, pois a pigmentação natural da melanina funciona como uma tela de fundo para o procedimento.

Assim, o resultado final depende de como o pigmento artificial reage com essa cor natural. Então, o estudo de colorimetria dá ao profissional abordagens mais seguras na hora de escolher o tom ideal para cada cliente.

Pensando nisso, separamos este guia para micropigmentadores com informações fundamentais que vão facilitar a visualização real da cor e direcionar uma escolha sem erros. Veja, a seguir.

Fototipo

A cor da pele é caracterizada por dois fatores: o genético, ou seja, a quantidade de melanina que ela possui, e sua coloração facultativa, consequência da reação à exposição solar.

Ainda, existem os dois subtipos da melanina, a eumelanina, que caracteriza as peles escuras, e a feomelanina, para peles claras. Antigamente, essa divisão acontecia como peles frias e quentes, respectivamente.

Segundo a escala de Fitzpatrick, podemos classificar os tons de pele em seis fototipos:

– 1. Branca: a pele que, ao invés de brozear, queima e possui alta sensibilidade a radiação solar;

– 2. Branca: ainda sensível a radiação solar, porém bronzeia pouco;

– 3. Morena clara: peles que queimam e bronzeiam moderadamente, possuem sensibilidade normal aos raios solares;

– 4. Morena moderada: sempre bronzeiam, queimam moderadamente e são pouco sensíveis a radiação solar;

– 5. Morena escura: peles que também bronzeiam sempre, mas queimam raramente, pois são pouco sensíveis aos raios solares;

– 6. Pele negra: são totalmente pigmentadas e nunca queimam. Não possuem sensibilidade a radiação solar.

Em suma, essas característica vão determinar os resultados que a cor selecionada pode alcançar no procedimento dos micropigmentadores.

Dessa forma, para escolher o tom ideal do seu cliente, é necessário levar esse e alguns outros fatores em consideração. Veja mais, adiante.

Colorimetria

De acordo com o estudo da colorimetria, as cores são divididas em:

– primárias: vermelho, azul e amarelo;

– secundárias: misturas entre dois pigmentos primários;

– terciárias: adição de uma das cores primárias já contidas na mistura secundária.

Existe, ainda, a cor complementar, que é cor primária ausente na mistura entre as outras duas cores primárias.

Além disso, os tons apresentam temperaturas, que são:

– Quente: cores amarelo, vermelho e laranja, mais vibrantes. Fototipos do 1 ao 3;

– Frio: cores azul, verde e violeta, menos vibrantes. Fototipos do 4 ao 6;

Cores frias harmonizam com vermelho, enquanto as quentes harmonizam com o laranja. Os complementos opostos são neutralizadores entre si.

Na micropigmentação, os tons marrons são os mais utilizados, que são uma mistura das cores primárias com outras cores.

Então, a dica é observar a cor primária predominante na base do pigmento. Os tons mais escuros possuem maior concentração de azul, enquanto os mais claros possuem mais amarelo.

Portanto, os micropigmentadores conseguem escolher o tom ideal para seu cliente ao analisar a cor predominante na tonalidade de base da pele, levando em consideração as cores que harmonizam com esse tom, evitando, assim, pigmentos análogos.

Entretanto, uma dica é trabalhar com pigmentos já equilibrados para facilitar o trabalho e conter qualquer imprevisto. Como a nossa linha de produtos para sobrancelhas, que foi desenvolvida pensando na menor necessidade possível de ajuste ou mistura por parte do profissional.

Receba mais notícias

Deixe seu email abaixo para ser incluído em nossa lista de comunicação.