Por que fazer uma micropigmentação capilar pode ser uma boa escolha

Share on facebook
Share on email
Share on whatsapp

Se você acha que a micropigmentação é útil apenas para criar sobrancelhas belíssimas, está muito enganado. Tem muita gente por aí apostando na micropigmentação capilar. E não, você não leu errado, é micropigmentação capilar mesmo.

Como funciona a micropigmentação capilar?

Conforme você deve imaginar, a micropigmentação capilar pode ser uma boa escolha para disfarçar falhas no couro cabeludo, principalmente em casos de calvície. E, pasmem, a calvície é um problema dermatológico que afeta tanto os homens quanto as mulheres, causando um impacto enorme na autoestima.

Há até mesmo pesquisas acadêmicas que afirmam que a calvície é um grande fator que gera baixa autoestima nas pessoas que sofrem com o problema, mas, felizmente, os avanços tecnológicos aplicados à indústria estética têm proporcionado alternativas eficientes para a situação.

É claro que a micropigmentação capilar não resolve o problema da calvície nem nenhuma outra alteração do couro cabeludo, mas com ela é possível criar um bom disfarce.

Basicamente, são desenhados novos fios na área em que há falhas utilizando microagulhas que são capazes de imitar um fio em crescimento.

O procedimento atinge uma camada superficial da pele, devendo ser refeito após uma média de dois a cinco anos, a depender do tipo de couro cabeludo e da frequência de lavagens, mesmo assim é muito importante ter certeza da decisão sobre realizar o procedimento, pois sua remoção, apesar de possível, é bastante complicada.

A micropigmentação capilar é um processo que exige anestesia local para sua realização e cuidados específicos quanto à alimentação e à exposição solar na fase de cicatrização. Por ser na área da cabeça, pode haver certo desconforto ao se deitar ou encostar a cabeça nos primeiros dias.

A duração dos resultados do procedimento dependerá também do número de sessões realizadas que, frequentemente, são mais de uma. Com o tempo, a coloração da micropigmentação tende a ficar mais clara, mas são raros os casos em que o processo desaparece por inteiro e isso também depende bastante da qualidade do pigmento utilizado.

O que é importante considerar antes de fazer uma micropigmentação capilar?

Inicialmente, como já pontuamos, é preciso estar certo a respeito da decisão de fazer a micropigmentação, pois os resultados são duradouros.

Decisão tomada, é hora de procurar um profissional especialista na área. Alguns tatuadores, designers de sobrancelhas, esteticistas e até dermatologistas oferecem esse serviço.

Ter referências sobre o trabalho do profissional, inclusive com fotos de antes e depois, é essencial para garantir resultados mais próximos do esperado.

Além disso, todas as agulhas devem ser absolutamente descartáveis, o ambiente precisa ser devidamente esterilizado e o profissional precisa usar seus equipamentos de biossegurança (jaleco, luva, máscara e touca).

Tão importante quanto a questão da higiene do local e do profissional são os pigmentos a serem utilizados no procedimento. Eles devem ter variedade de cores, afinal, os microfios são desenhados de acordo com a cor dos cabelos do cliente.

Os pigmentos utilizados necessitam ter todas as autorizações da Anvisa e dos demais órgãos reguladores para que possam ser usados em procedimentos de micropigmentação. Isso garante a segurança e os bons resultados ao cliente.

Questionar o profissional sobre sua forma de trabalho e sobre os materiais utilizados, especialmente sobre a marca dos pigmentos, é uma forma de se sentir mais confiante e confortável com o processo de micropigmentação capilar.

Receba mais notícias

Deixe seu email abaixo para ser incluído em nossa lista de comunicação.